Africa Livre #07 – ALTA GUINÉ II

0 Postado por - 02/09/2012 - obailetodo, Podcasts

ÁFRICA LIVRE
seu programa de música, cultura e informações sobre as Áfricas

Continuação do último podcast, daremos visibilidade aos artistas dos outros quatro atuais países que outrora constituíam a região que do século XVI ao XIX era connhecida como a Alta Guiné, concluindo o tema com a parte II. Selecionamos Mory Kante, S.E. Rogie, Naser e Ernesto Djédjé, respectivamente da Guiné, Serra Leoa, Libéria e Costa do Marfim para finalizarmos esse tema. Para ilustrar este podcast, escolhemos uma representação do século XIX que retrata os Griots, grupo social composto por músicos, genealogista, trovadores e contadores de histórias. Os griots são um dos maiores veiculos de transmissão e preservação cultural na África Ocidental. Lembro aos leitores/ouvintes que estes podcasts são frutos dos programas Africa Livre, transmitidos na Radio Muda, todos os sábados às 19:00h.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


download

Músicas do programa:
Mory Kante – Yeke yeke // Tama // Dia
S. E. Rogie – Ojo yalah jo // Nyamoley langue // African gospel
Naser – Kpaytuo // Sokay // Lou
Ernesto Djédjé – Zibote // Cestlavie // Golozo

Mory Kanté nasceu em 29 de março de 1950 em Kissidougou, em uma das mais conhecidas familias de griots da Guiné. É um vocalista e instrumentista adepto da kora, importante instrumento africano que lembra um alaúde. Depois de ser iniciado na tradição griot mandinga da Guiné, foi enviado ao Mali, com sete anos de idade, onde aprendeu tocar kora, assim como impotantes estilos de canto tradicionais necessarios na formação griot. Em 1971, Kante tornou-se membro da Rail Band, da qual Salif Keïta era cantor. Keïta deixou a banda em 1973, abrindo o caminho para Kante como cantor. Kanté é conhecido internacionalmente por seu grande sucesso “Yéké-yéké”, de 1987, musica que foi uma das mais vendidas em 1988 na Europa. O primeiro e único hit africano que vendeu mais de um milhão de cópias. Além de “Yéké-yéké”, “”Tama” é outra música que influênciou outros artistas africanos, nos anos subsequentes.

A República da Guiné é um país na África Ocidental. Anteriormente conhecido como Guiné Francesa, é às vezes chamada de Guiné-Conacri para fazer distinção à vizinha Guiné-Bissau e à República da Guiné Equatorial. Faz fronteras com Guiné-Bissau, Senegal, Mali, Serra Leoa, Costa do Marfim e Oceano Atlântico. A terra onde hoje situa-se a Guiné pertenceu a uma série de impérios africanos até que a França a colonizou na década de 1890, quando passou a fazer parte da África Ocidental Francesa. A Guiné declarou sua independência da França em 2 de outubro de 1958. Cerca de oitenta e cinco por cento da população é mulçumana e sua língua oficial é a francesa.

Nascido Sulaiman Rogers, S. E. Rogie foi um guitarista e cantor de highlife e palm wine de Serra Leoa. Ele nasceu em 1926 e começou a tocar cedo, enquanto se sustentava como alfaite. Nos anos de 1960 ele se tornou um músico profissional, cantando em quatro línguas. Rogie formou The Morningstars in 1965 e viajou pelo EUA em 1973. Nos EUA, ele se apresentava em escolas de nível médio e fundamental da Califónia. Recebeu prêmios do Congresso dos Eua e de cidades como Berkeley, Oakland e Califónia. Ele se mudou para a Inglaterra em 1988. Morreu em 1994, pouco depois de gravar seu último album, Dead Men Don’t Smoke Marijuana. Palm wine, conhecida como maringa em Serra Leoa, é um estilo musical da África ocidental. Tocada entre os kru, um dos povos de Serra Leoa e Libéria, palm wine usa violões portugueses e combina melodias locais a ritmos como o calipso e a soca de Trinidade e Tobago. O nome evoca uma bebida local feita a partir da ceiva de palmeiras que depois de fermentada torna-se alcoólica. Era muita bebida quando o ritimo era executado.

A República da Serra Leoa é um país na África Ocidental. Faz fronteira com a Guiné, a Libéria e o Oceano Atlântico. Serra Leoa é uma república democrática representativa e constitucional cuja capital e maior cidade é Freetown. Contatos europeus em Serra Leoa estão entre os primeiros na África Ocidental. Em 1462, explorador português Pedro de Sintra mapeou as colinas que agora são conhecida como Porto Freetown, nomeando a formação montanhosa da região, Serra de Leão. Logo após os comerciantes portugueses chegarem ao porto em 1495, um forte que funcionava como um posto de troca foi construído. Aos portugueses juntaram-se os holandeses e franceses, todos eles usando Serra Leoa como um ponto de comércio de escravos. No início do século XX, Freetown, serviu como residência do governador britânico que também governava a Costa do Ouro (atual Gana) e os assentamentos da Gâmbia. Serra Leoa também serviu como centro educacional da África Ocidental Britânica. Em 20 de abril de 1960, Sir Milton Margai levou os vinte e quatro membros da delegação da Serra Leoa para as conferências constitucionais que foram realizadas com a Rainha Elizabeth II e Secretário colonial britânico Iain Macleod. Nestas negociações, em Londres, foram discutidos os termos da independência. A língua oficial é a inglesa a religião dominante é o islamismo, embora o cristianismo tenha um percentual significativo.

Naser nasceu em Kpaytuo, Liberia. É uma cantora e compositora que reside atualmente em Minnesota, nos EUA. Quando jovem tocava tambores enquanto sua mãe cantava para entreternimento familiar. Ela transforma coisas inusitadas, como latas vazias, baldes de plásticos, madeiras ocas e tudo que tiver ao alcanse de suas mãos, em instrumentos musicais. A artista dedica-se a um estilo musical denominado kolor, um ritmo próprio dos dan and man povos do nordeste da Liberia. Sua especialidade dentro do gênero kolor é um subgênero chamado sokay que geralmente aborda a coesão familiar. Naser lançou seu primeiro CD, chamado Sokay, em 1998, nos EUA.

A República da Libéria é um país na África Ocidental. Faz fronteira com a Serra Leoa, Guiné, Costa do Marfim e com o Oceano Atlântico. Inglês é a língua oficial, ainda que existam mais de 30 línguas indígenas faladas no país. As pessoas que viviam ao longo da costa construíam canoas e negociavam com outros povos africanos ocidentais desde o Cabo-Verde até a Costa do Ouro. Entre 1461 e final de século 17, portugeses, holandeses e os comerciantes britânicos mantiveram contatos e postos comerciais na região. Os portugueses nomearam a área de Costa Pimenta, devido à abundância de pimenta malagueta. Comerciantes europeus trocaria várias commodities e bens com a população local. Os kru, um dos povos locais, começaram a negociar mercadoriascom os europeus, contudo mais tarde eles participariam ativamente no comércio de escravos africanos. Em 1820, a Sociedade Americana de Colonização (ACS) começou a enviar voluntários negros para a Costa Pimenta a fim de estabelecer uma colônia para negros americanos libertos. Estes afro-americanos libertos veieram a identificar-se como Américo-liberiano. desenvolveram uma tradição cultural impregnada de noções americanas de supremacia racial, política e republicanismo. Em 1877, o Américo-liberiano True Whig Party era a facção política mais poderosa do país. O cargo de presidente foi geralmente contido dentro do partido, cuja nomeação e eleição era praticamente assegurada. A pressão do Reino Unido e da França levou a uma perda de reivindicações da Libéria para extensos territórios, que foram anexados pelos países vizinhos. Contudo o país nunca tornou-se uma colônia como muitos dos territórios africanos. A principal religião é o cristianismo, mas 12 por cento da população é mulçumana.

Ernesto Djédjé foi um cantor marfinense nascido em Daloa, em 1948. Seus pai e mãe eram Wolof and Bété. Djédjé começou a tocar aos quinze anos como guitarrista, ao lado do lider da Dope Band, Ivoiro Star, em 1962. Ele se mudou para Paris em 1968 para estudar. Contudo, continou a se apresentar e fez sua primeira gravação com Anoma Brou Felix em 1970, com ajudo de Manu Dibango. Em 1972, voltou ao seu país como líder da San Pedro Orchestra. Mais tarde formou Les Ziglibithiens, pioneiros em um estilo musical denominado ziglibithy, ritmo baseado em influências musicais betés e congolesas. O ziglibithy é uma música altamente sincopada e feita para dançar. As linhas de guitarra sinuosas são pontuadas com instrumentos de sopro. Djedje gravou seu primeiro álbum solo em 1977, chamando Ziboté com o produtor Gbadamassi Raimi. Outro álbum, Le Roi du Ziglibithy, foi lançado em Badmos Records em 1977. Em 1982, foi homenageado por suas contribuições à cultura nacional da Costa do Marfim. Djedje morreu de repente de uma úlcera não tratada em 1983 aos 35 anos, embora muitos afirmam que ele tenha sido envenenado.

A Republica da Costa do Marfim é um país da África Ocidental. Limita-se com a Liberia, Guiné, Mali, Burkina Faso, Ghana e Golfo da Guiné. Antes de sua colonização pelos europeus, a Costa do Marfim foi o lar de vários estados, incluindo Gyaaman, o Império Kong e o Baoulé. Havia dois reinos que tentaram manter sua identidade separada durante o período colonial francês e após a independência. Um tratado 1843-1844 fez da Costa do Marfim um protetorado da França. Em 1893, passou ao estatuto de colônia francesa, como resultado da partilha europeia da África. A Costa do Marfim tornou-se independente em 7 de agosto de 1960. A religião é um tanto heterogênea, mas os maiores grupos são os islâmicos sunitas e cristão católicos. Lingua oficial é o francês.

1 comentário

  • […] O Califado de Sokoto África Livre #05 – O Imperio Songhai África Livre #06 – Alta Guiné I África Livre #07 – ALTA GUINÉ II Compartilhe:Gostar disso:GosteiSeja o primeiro a gostar […]

  • Deixe uma resposta