Os Novos Baianos (Jamais Envelhecerão)

0 Postado por - 23/03/2012 - Docs & Filmes, Música, obailetodo, Video

O ano era 1968, o público então pode presenciar a estreia do grupo formado por Moraes Moreira, Paulinho Boca de Cantor, Luiz Galvão e Baby Consuelo, em Salvador, Bahia. Estavam ativos e tocando juntos, os Novos Baianos. No ano seguinte a primeira aparição no V festival de música popular brasileira, onde o público presente pode curtir o som de “De vera”, canção esta que integrava o primeiro álbum da banda, intitulado “Ferro na boneca”.

Com um som que misturava um rock psicodélico com algumas passagens marcantes e folclóricas tradicionais do Brasil, Pepeu Gomes foi aos poucos ganhando destaque dentro do grupo. Mais tarde casou-se com Baby Consuelo e nesse período firmou-se  como um membro fundamental da banda e como arranjador musical,ao lado de Moraes Moreira.

O segundo álbum que ganhou o nome de “Acabou chorare”, trazia um som que misturava o som das guitarras elétricas, um baixo e bateria marcantes, com a presença de um cavaquinho, chocalho, pandeiro e agogô. A revista Rolling Stones, em outubro de 2007, elegeu o disco como sendo o melhor de toda a história da música brasileira. Esse álbum trazia consigo sucessos como “Brasil Pandeiro”, “Preta Pretinha”, “Mistério do Planeta” e “Besta tu é”.

João Gilberto, que por ser próximo dos músicos que integravam os Novos Baianos, acabou por ser o responsável por influenciar os integrantes a produzirem um som cada vez mais próximos da MPB. Morais Moreira e Luiz Galvão então fizeram uma música que ganhou o nome de “A cor do som”, nome que foi adotado pelo grupo formado por Armandinho, que tocava desde guitarra, bandolim elétrico e até mesmo o cavaquinho. Dadi tocava o baixo, Mú nos teclados e Gustavo na bateria. “A cor do som” passou a ser uma banda auxiliar aos novos baianos. O grupo tinha uma forte imagem hippie, para esse período e para a sociedade.

Os novos baianos começaram a se desfazer, quando Morais Moreira (que era o principal letrista junto com Luiz Galvão) resolveu investir em sua carreira solo. Os demais integrantes continuaram a produzir, mas estavam enfraquecidos já que cada um seguia uma tendência de tentar sucesso em carreira solo.

Com o passar do tempo, eventualmente alguns membros do grupo voltaram a se reunir para apresentações. Em 1987, Paulinho junto de Baby e Pepeu fizeram uma apresentação única do Teatro Carto Alves, o mais importante centro artístico da Bahia. Três anos mais tarde um encontro com força máxima reuniu todos os ex integrantes em um trio elétrico que percorreu as ruas de Salvador. Com a reaproximação, Pepeu e Moreira acabam por gravar um novo projeto. Nessa mesma fase, chegaram a se apresentar ao lado de Marisa Monte, que por gostar muito do som, influenciou o grupo a retornarem a um estúdio. Mas a banda só veio a lançar um novo trabalho no ano de 1997, com a formaçao original . Nesse ano lançaram um CD duplo que ganhou o nome de Infinito Circular.

Mais recentemente, no ano de 2009, durante uma passagem pelo carnaval de salvador, sem a presença de Moreira, os ex integrante voltaram a se apresentar em cima dos trios elétricos e levaram uma miltidão a percorrer o circuito Campo Grande indo em direção a praça Castro Alves. Nesse mesmo ano rolou também uma apresentação, para cerca de 1.000.000 de pessoas na Avenida São João, SP, durante a Virada Cultural, realizada anualmente na terra da garoa, e mais uma vez sem a presença de Morais Moreira.

Pra quem se interessar segue o link de um documentário de Solano Ribeiro, que acompanhou por 10 dias os músicos com a intenção de produzir um material para uma TV alemã. Segundo depoimento do produtor, o grupo era muito difícil de ser administrado e consequentemente dirigido, por isso, ele foi gravado em cima de encontros rotineiros sem necessariamente existir um roteiro.

Top 10 Oazel Novos Baianos:

2 + comentários

  • Guido Barella 24/03/2012 - 3:02 pm Responder

    Sensacional a seleção de musicas e videos ! Muito Bom !

  • […] Surgiu então Oazel Laranjeiras, o único pseudônimo que assina no site, textos de Raimundos à Novos Baianos. Oazel é pau pra toda pauta. Taric Fioravanti, designer gráfico de primeira, e incansável […]

  • Deixe uma resposta