TOP 10 – MÚSICAS POR FÁBIO PARISI

3 Postado por - 26/05/2014 - Audio, Música, obailetodo, Video

Nascido em Campinas no ano de 1984, Fábio Parisi vive na cidade de Valinhos desde 1998 onde ganhou sua primeira guitarra aos 14 anos de idade e mais tarde formaria a banda MFC juntamente com os seus amigos da cidade. Primeiramente o foco da banda era na execução de covers de bandas que os inspiraram a se interessar por música, porem atualmente estão trabalhando na composição de músicas autorais onde já é possível conferir a 1ª música da banda King Dynamite” composta em homenagem ao amigo da banda e lutador de MMA, Fernando Neto.

Recentemente foi convidado a ser o novo baixista da banda Slippery, fundada por seu primo Dragão a qual já vem acompanhando a banda desde o seu nascimento à exatamente 10 anos atrás. A banda possuí um EP lançado em 2007 intitulado “Follow Your Dreams” e mais tarde lançou o álbum “First Blow” sendo destaque em variados sites, blogs e revistas voltados ao Hard Rock e Heavy Metal. Fábio ainda é o baixista da Rockoff!

TOP 10

“Listar as 10 melhores músicas? Missão impossível! Portanto escolhi 10 músicas que marcaram de alguma maneira minha vida e que me trazem boas lembranças!”

“Moonchild” Iron Maiden

Steve Harris & cia. dominaram a minha vida desde o primeiro momento em que botei o disco da Donzela pra rodar. Impossível não deixar qualquer moleque louco vendo o Eddie na capa dos discos e ficar viajando em cada uma delas, em especial para as artes dos álbuns Powerslave e Somewhere in Time.  Porem a música a qual escolhi para entrar no meu top 10 pertence ao álbum Seventh Son of a Seventh Son. Eu tinha (tenho?) um VHS da turnê desse disco, o nome da tour era Maiden England, show realizado em 88 que era mesmo ano de lançamento do disco. Eu junto com meu irmão assistiamos a esse show praticamente todos os dias quando voltava pra casa depois da escola! Moonchild era a musica de abertura do show e também abre o disco, durante a intro da musica mostrava imagens dos bastidores e eu lembro perfeitamente de todas essa imagens (fiz questão de achar o link desse show) , quando os caras apareciam no palco com aquela energia clássica do Maiden a gente não levantava do sofá até que o show acabasse!

“Blackned” Metallica

Difícil listar apenas uma música deles, já que o quarteto da Bay Area de San Fancisco que junto com Maiden foram os responsáveis por eu me interessar por instrumentos musicais. Essa música me marcou porque na época em que meu pai comprou minha primeira guitarra eu peguei o disco “…and Justice for All” emprestado de um colega de classe da escola. Eu já tinha outros discos deles, porem esse disco foi amor a primeira vista, a música que abria era Blackned e desde então considero este o melhor disco deles (mesmo sem Cliff Burton que já havia partido e sem conseguir ouvir uma nota do baixo de Jason Newsted). James estava em sua melhor fase como vocalista e Lars criou as melhores frases de bateria da carreira deles (na minha opinião). Todas musicas do disco são excelentes, destaque para To live is to Die, a linda homenagem instrumental para o Cliff, porem Blackned foi a responsável por eu não me atrever a apertar o stop até que o disco acabasse e descobrisse como esse disco era demais.

“Rebel Maniac” Viper

Eu e meu irmão íamos para a casa dos meus avós em Marília durante as férias escolares e um primo mais velho que morava lá tinha um LP do álbum Evolution do Viper. Sempre que íamos jogar videogame na casa dele ele botava esse disco pra rodar e eu consigo ver até hoje ele cantando o fim do refrão dessa musica “’Cause I’m a Rebel Maniac!” Esse refrão me traz boas lembrança até hoje. Nesse mesmo disco continha uma versão (muito boa por sinal) do hino “We Will Rock You” do Queen. A primeira vez que ouvi essa musica foi com o Viper tocando, nem sabia que era do Queen,  porem confesso que quando ouvi a original achei sem graça pois já havia se acostumado com a versão do Viper que tanto ouvi após meu primo nos dar uma fita k7 com a gravação do disco inteiro. Apesar da ótima fase antiga do Viper que contava com o vocalista Andre Matos a qual eu prefiro, foi o disco Evolution com Pit Passarel nos vocais que marcou minha vida e a música Rebel Maniac me marcou pra sempre, ouço esse disco até hoje sem enjoar. É nostalgia na certa!

“Heavy Metal Universe” Gammaray

Essa música foi a responsável por quase sangrar os dedos de tanto tocar na casa do grande amigo e vizinho Daniel Person (Hellish War). Kai Hansen, mestre do power metal alemão, deixou o Helloween e nos deu de presente o Gammaray. Desde a primeira vez que ouvi foi um caminho sem volta. Metal Alemão com uma pitada de Heavy Metal Tradicional britânico, fácil de notar as influencias de Judas Priest e Iron Maiden, porem com o Speed Metal Alemão! Heavy Metal Universe vai ficar na minha memoria para sempre.

“March of Time” Helloween

Helloween tem espaço garantido no meu top 10. Sou suspeito em comentar sobre o disco “Walls of Jericho”que ainda contava com Kai Hansen no vocais e guitarra,  porem foi o disco Keepers of the Seventh Keys Pt 2 que me marcou. Uma das melhores fases da banda já com Michel Kiske assumindo os vocais e Kai Hansen como guitarrista apenas. Esse foi um dos primeiros discos do Helloween que escutei e que me marcou (juntamente com o ao vivo Live in the UK). Eu amava o refrão dessa musica e me acabava tentando cantar igual.

“Wake up Dead” Megadeth

“Que voz esquisita é essa?” Isso foi o que pensei na primeira vez em que ouvi Megadeth, mal sabia eu que esse tal Mustaine me deixaria viciado ao terminar a música. A música deles que mais me marcou foi Wake up Dead, ela abre o disco “Peace Sells…But Who’s Buying?”,  disco indispensável para os thrashers de plantão. O que me marcou muito ao ouvir essa musica foram os tradicionais riffs de Thrash Metal, era direta ao ponto. Lembro como se fosse ontem a primeira vez que assisti o clip dessa música na época do Furia Metal MTV. Teve um especial do Megadeth que gravei em VHS e passou o clip dessa musica, eu achava o clip muito do mal! Impossível eu ouvir esse som sem mexer a cabeça.

“Animate” Rush

Posso te dizer com certeza que me apaixonei por Rush aos 16 anos de idade. Foi em mais uma férias escolares em Marília mais uma vez junto de meu irmão e o mesmo primo o qual me apresentou o Viper. Estavamos indo para um bar até que ele colocou uma fita do Rush pra tocar no carro, até entao eu conhecia a famosa Tom Sawyer. O disco que ele colocou era o Counterparts e foi a primeira musica do disco que ja me conquistou. Animate chegou para me fazer viciar em mais uma banda, lembro como se fosse ontem aquela bateria da intro entrando no meu ouvido, quando entrou a linha do contra-baixo eu ja nao prestava atenção em mais nada, até que Geddy Lee entrou com a voz, ja era! Caminho sem volta! Depois disso eu escutava esse disco todos os dias, foi a partir dele que tive interesse em conhecer os outros trabalhos da banda e ver como power trio Canadense era demais!

“Time What is Time” Blind Guardian

Hansi Kürsch continua sendo para mim um dos melhores vocalistas, o cara tem overdrive na garganta e uma criatividade impressionante!  Famosos por transformarem em musica os trabalhos de J.R.R. Tolkien (Senhor dos Anéis / Hobbit)  em alguns de seus discos, os bardos do metal marcaram bons momentos em minha vida. Certa vez comprei um disco no camelo, era o Somewhere far Beyond e pra variar a primeira musica do disco me fez viciar mais ainda, era o dia inteiro ouvindo Blind Guardian e a Time What is Time se tornou a minha preferida do disco, cantei muito essa no banho.

“Highway Star” Deep Purple

Um game de corrida que tocava Rock n’Roll? Pois é, Rock n’Roll Racing foi disparado um dos jogos que eu mais gostava de jogar e a trilha sonora tornava isso ainda mais prazeroso! A cada planeta diferente era uma nova batalha acompanhada de uma nova trilha sonora. Eu gostava de todas as trilhas (Paranoid, Bad to the Bone, Born to be Wild, etc) mas Highway Star é a responsável por me trazer boas lembranças daquela época. É uma grande honra tocar ela hoje em dia junto com meus amigos da nossa banda MFC.

“Living on a Prayer” Bon Jovi

Eu lembro até hoje quando meu irmão comprou a coletania “cross road” do Bon Jovi na época de seu lançamento, entre 94 e 95. Nossos amigos não entendiam porque ouvíamos aquilo ja que aquela era a época da Dance Music anos 90, só se ouvia aquilo no prédio que morávamos. Living on a Prayer tocou muito em casa, cantamos muito mesmo sem saber uma palavra da letra da musica. Essa musica marcou uma época muito boa da minha vida, é só dar o play que consigo imaginar a sala da nossa antiga casa onde ficávamos ouvindo.

Sem comentários

Deixe uma resposta